Quem sou eu

Minha foto
Sou escritora e atriz. Adoro ler, escrever, assistir a filmes e ir ao teatro. Escrevi dois livros "A ilha e a menina" e "Livremente Mara", que virou peça de teatro e estreia no final deste ano.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Insônia e Pesadelo



Esta noite, tive uma insônia brava, fiquei com os olhos saltados, esperando a manhã chegar. Havia certa melancolia nas gotas da chuva que chocavam o telhado intermitentemente. Geralmente, a chuvinha ajuda a aprofundar ainda mais o sono, a preguiça. Fechei os olhos e logo fui transportada para uma conferência de políticos, uma votação mal lograda, que sem tempo em que eu pudesse protestar, a sala toda foi tomada por uma fumaça que brotava do chão. Desesperada, fugi de lá. Ao me virar, percebi que era a única pessoa que ainda se encontrava naquele recinto. Objetos sacros estavam por todo canto, parecia uma igreja. Ao chegar na porta, eu já sabia que estava num sonho e que não poderia abrir a maçaneta da porta. Teria que passar por ela. Odeio essa sensação de estar voando, ter um controle suposto de onde vou no sonho. Isso me amedronta profundamente. Me livrei da sala enfumaçada e fui parar numa torre imensa, tão alta que nunca se chegava no teto. Quando avistei o telhado, já quase no mesmo instante, estava livre, flutuando na noite. Mas havia seres andando quando desci, uns seres maiores que eu, como que fossem de tijolo. Um deles começou a me perseguir e fiquei com tanto medo que acordei gritando.
Decidi pegar um livro e ler ao invés de voltar a dormir. Mas o sono me pegou novamente e agora lá estava eu vendo um cachorro agonizar na rua. Pensei que o certo seria acabar de matá-lo para abreviar o seu sofrimento, mas eu nem saberia fazer tal coisa. Encontrei uma amiga que queria se casar e escolheu um vestido de noiva num brechó. Só que a noiva que iria casar com aquele vestido, morreu antes do casamento. Ela me pediu para ir buscar o vestido e, chegando na loja, coisas estranhas começaram a acontecer, objetos foram atirados, e coisas ficaram tremelicando. Saí correndo dali. Fui parar num espaço de yoga, minha prima não olhou para mim. Pensei, essa praga virou uma demônia e comecei a chorar, me sentindo um lixo, ofendida com a atitude dela. Depois, veio uma tia minha falar qualquer vantagem. Eu fiquei ali, triste. Mas aí veio o meu professor de yoga e mais uns amigos, e fizeram um ritual para eu melhorar. Aí fui visitar o espaço, que estava diferente, maior do que é, na verdade. Acordei. Quase na hora do despertador tocar. Esses sonhos mais cansam que descansam. Resolvi tirar mais um cochilo e levantar de vez, seguir o dia.
E uma das coisas que resolvi fazer, nesta longa noite acordada, temperada com pesadelos, foi voltar a escrever no meu blog. Basta de sacrifícios, ficar sem escrever esse tempo todo foi um suplício, não vale a pena deixar de ser quem eu sou para perseguir o meu sustento. Sei que ele vai vir de uma forma ou de outra. Quem sabe, escrever tire a minha ansiedade, me deixe mais feliz. Quem sabe, quem sabe...

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Mistério de existir

Faz muito tempo que não escrevo nada. Não sei como sairá este escrito. Pode não sair uma obra-prima, mas um dia precisaria arriscar nas minhas palavras novamente. Deixo para trás todo o filtro, todos os medos de cometer clichês e gafes. Deixo para os sabidos a pretensão de escrever textos de alto nível. Por enquanto, apenas irei escrever. E me vem uma liberdade tão grande enquanto estou aqui digitando, é como se os grilhões que prendiam a minha arte se rompessem. Desperta dentro de mim a alegria ancestral, aquela felicidade primeira que me faz ser uma pessoa agradável aonde quer que esteja. Volto as minhas origens, meus sonhos antigos, e rememoro como é bom ser eu, como é maravilhoso estar viva e poder expressar em palavras o meus deslumbres de experimentar, viver, observar e admirar este mistério incrível que é existir. 

domingo, 25 de junho de 2017

A perigosa semente

Algumas gotas de sono e sonho acompanharam a minha noite. Ainda é bom lembrar do roçar das suas mãos nas minhas, do seu calor. Tudo tão raro, tão único, tão fugaz.Gostaria te me derreter na sua pele, mas me contenho na minha condição sólida. É preciso manter os protocolos, a boa política, as convenções. Obrigar a nascer amizade de uma semente que insiste em florescer paixão.

sábado, 2 de julho de 2016

Metade de um sol amarelo

Meus dias não se orientam por fins de semana, muitas vezes eles se igualam numa sucessão monótona de dias. Tudo se interrompe com os passeios, viagens, e até mesmo com filmes. Assim, sendo hoje sábado, querendo descansar e conhecer um pouco mais do mundo, escolhi um filme todo especial para assistir. Chama-se “Metade de um sol amarelo” Acontece na Nigéria e tem uma história incrível. Acontecem traições familiares que, se não houvesse uma guerra, as pessoas nunca se perdoariam. Mas, a necessidade de ajuda, de estar junto é tão maior, que os seres humanos desse filme se perdoam. Dão outra chance. Eu coloco aqui seres humanos ao invés de personagens, porque eles se mostram de uma maneira tão sincera e crua que a impressão que se tem é que os conhece.
Esse filme é uma adaptação de um romance de Chimamanda Ngozi Adichie, uma nigeriana que é uma das mais importantes jovens autoras da literatura africana. O nome original do livro é  Half of a Yellow Sun – Meio sol amarelo. Esse livro eu quero ler, com certeza, assim como os outros que ela escreveu.
Um dizer desse filme que me marcou foi um diálogo em que as gêmeas  Olanna e Kainene relembram a fala do avô delas, quando narrava as coisas terríveis que passara na Nigéria. Ele dizia: “Não me matou, me fez conhecedor.”

quarta-feira, 29 de junho de 2016

O Marido Ideal

Acabei de assistir a um filme interessante, “O Marido Ideal”. Logo vi, pela estrutura do enredo que se tratava de uma peça de teatro adaptada para o cinema. Na verdade, é uma adaptação adorável de uma peça chamada “Um Marido Ideal” de Oscar Wilde. A história é toda engenhosa, com personagens caricatos, que às vezes chegam a ser infantis. Mas a ingenuidade ou maldade genuínas podem nos trazer uma segurança, uma referência neste mundo em que os vilões e mocinhos andam tão misturados. A dualidade entre bem e mal, essa divisão tão clara numa história, às vezes nos deixa tão felizes quanto ouvir um conto de fadas. E quem não gosta de histórias felizes? Quem não é apaixonado por um “happy ending”? Agora ficou meio antigo gostar de coisas comuns e eu sou careta mesmo. Adoro um finalzinho feliz, principalmente se for o meu!
E aproveitando a deixa, achei lindo o comentário de uma das personagens que fala da diferença entre olhar e ver e que só se enxerga realmente uma coisa quando você percebe a beleza que existe nela.


Beijo a todos!

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Aquilo que não me destrói, me fortalece

Quando se faz uma escolha, somos inocentes, achamos que logo logo a vida se assenta. Mas, às vezes, é difícil encaixar o trem na linha novamente. O tempo vai passando e tudo que temos é uma fé,  e quando ela não existe mais, rezamos para resgatá-la. Não está fácil engolir o dia hoje.  Eu sei que nem é bom compartilhar esses sentimentos ruins com os meus possíveis leitores. Hoje em dia, o povo só está querendo ler coisas estimulantes. No entanto, dá um certo conforto saber que – quando admitimos que sofremos - não é apenas nós que sentimos dor, que caímos, que fracassamos. Faz parte da vida também perder.  Assisti a um filme muito bonito esses dias, chama-se "A Sorte do Vinicultor". Um camponês queria ir além dos vinhos ordinários que produzia com o pai e produzir vinhos de qualidade, especiais. Todavia, na vida dele não dava nada certo, até que ele avistou um anjo em carne, osso e asas. Todo ano eles se encontravam. Muita coisa deu errado nesse tempo e um dia o camponês lamentou e perguntou o por quê daquele sofrimento todo. Então o anjo disse que, na vida, para ela ter sentido, precisamos da tristeza e da alegria, e que não dá para se produzir um vinho bom sem ter produzido um tanto de vinho ruim. E que tudo que se sente, se vive, passa para o sabor da bebida. É claro que, depois de muita persistência, a vida dele melhora e ele passa a produzir vinhos de alta qualidade. Daí eu tirei uma lição, que para vencermos, é preciso engolir um monte de fel e ter paciência. Isso vai nos dando estrutura, vai nos fortalecendo. E como já dizia Nietzsche "Aquilo que não me destrói, me fortalece."

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Happy Ending


Certo dia eu estava meditando em plena aula de yoga quando tive um breve sonho, daqueles que duram segundos, mas que nos levam para todo um contexto pronto, como se fôssemos transportados para uma realidade que já conhecíamos. Lá eu tinha um companheiro. Abri os olhos e havia um sorriso aberto no meu rosto. Percebi o quanto seria bom ter uma pessoa do meu lado, na minha vida. Num filme uma vez ouvi uma personagem falar que buscamos uma testemunha no decorrer da vida, assim nossos feitos, por menores que sejam, fazem sentido. Conseguimos sobreviver sozinhas? Sim! Aprendemos com o tempo de solidão a tirar o melhor dela. Curtimos as amigas, passeamos, viajamos e, principalmente, rimos muito! Não que agora que encontramos nossos companheiros, perdemos as alegrias de estar sozinha, muito pelo contrário. O futuro nos leva a algo ainda mais pleno, porque a pessoa amada só apareceu quando nos completamos por nós mesmas.  Observo minha amiga toda em rosa, agarrada em flores amarelas, feliz ao lado de seu querido amor. A etapa em que a princesa casa e vai curtir o seu “felizes para sempre”. Porém, já somos muito experientes para sermos tão infantis. Estamos apenas mudando de fase, mais contentes, claro! Afinal, estar com o amor da nossa vida pode não ser um “happy ending”, mas pode ser o começo de uma vida mais alegre, com mais sentido sim, por que não? Voltamos à beleza da união entre um homem e uma mulher, coisa que acontece desde que mundo é mundo, mas que nunca perde a sua graça e quando acontece com a gente, parece que é uma descoberta única, um sentimento singular em todo o Universo. É assim que vejo a minha amiga partir para esta nova etapa, toda envolta em flores, amores, o retrato de um dia que amanhece feliz.