Quem sou eu

Minha foto
Sou escritora e atriz. Adoro ler, escrever, assistir a filmes e ir ao teatro. Escrevi dois livros "A ilha e a menina" e "Livremente Mara", que virou peça de teatro e estreia no final deste ano.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Que falta das minhas amigas!

Olho com rancor para a janela e ainda bem que do meu lado mora uma janela. Duas moças caminham ao calor do sol. Gostaria de estar lá. O que será que estão fazendo? Indo para a escola? Ou serão duas amigas indo “bater perna” no centro da cidade... Que bom deve ser ter alguém para passear... Deixei as minhas amigas e vim para a Cidade do Sol. Que falta fazem as minhas amigas... Que graça tem ficar olhando vitrines, comprar roupas sem elas? Que falta... Estou saudosa, queria que a minha vida não fosse essa revolução. Fiquei tantos anos desejando uma mudança no meu destino e agora que ele mudou, me sinto tão só. Quero a minha mãe, quero ter tempo para conversar com ela, falar de coisas rotineiras, quero dormir até tarde sem preocupação. Quero a minha vida de volta! Será que para conseguirmos algo temos que trabalhar desse jeito? Abdicar da contemplação, do ócio, das pessoas que são importantes para mim...

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Tempo para todas as coisas

Volto minha cabeça para trás e toco meus olhos rapidamente no céu. Tão lindo dia, tanta canseira para um dia só. Papéis escritos, papéis digitados, assinaturas, reuniões, internet, escritório, cartão de ponto, fone de ouvido, música MP3, lágrimas, stress, gato, carinho, novela, livros, sonho, muito sonho. Existe tempo para todas as coisas e agora, meus queridos, é tempo de trabalhar...
Minha mente voa a um passado onde a prioridade era divertir-me e sonhar com um futuro glorioso. Hoje, adulta, mais faço que sonho, embora quando olho para esse entardecer, quero jogar-me da janela e juntar-me à alegria do descompromisso, do que é leve, do que é descanso.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Solo Misterioso: o palco


Como criar? Como fazer do velho algo novo? Já diz a bíblia, lá no livro de Eclesiastes que não há nada de novo abaixo do sol. No entanto, corre nas minhas veias o sangue do que é novo, puro, como se estivesse desbravando uma selva virgem. Dou os primeiros passos e tudo o que encontro são lugares de difícil acesso e avançar é sempre um desafio. Poderia assentar a minha morada no meio do caminho, descansar. Mas o que me move é o caminho e não o local aonde vou chegar.  Hoje apresento “Pluft, o fantasminha” e atuo como a Mãe do Pluft. Apesar de já ter apresentado essa peça antes, estar em cima do palco é como pisar em solo misterioso. Um verdadeira alegria poder atuar!

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Pluft, Praia e Suor

Cena com Xisto, o fantasminha que só fala fantasmês.
 
Fecho os meus olhos e estou em frente a uma praia tranquila, só há o barulho das ondas e um reggae tocando no fundo. Na minha mesa tem uma água de coco gelada e meu pé está sendo massageado pela areia. Na pele, sinto um leve grudar de água salgada e o sol morna tudo, deixando a vida preguiçosa. Como escrever assim? Se estivesse mesmo vivendo tudo isso, estaria aqui escrevendo? Nunquinha. A verdade é que estou gelada numa sala não propriamente fria. O sol do outro lado da janela arde de doer a vista e trabalho até ele ir embora. E hoje a noite é o ensaio geral de “Pluft, o Fantasminha”, peça que apresentaremos amanhã, sábado e domingo (22,23 e 23 de fevereiro). Me vem um frio na barriga de colocar novamente o figurino, maquiagem, a mistura de calor, suor, nervoso e a alegria de ser a Mãe do Pluft. Ainda bem que posso ser ela! A vida fica mais leve quando podemos ser alguém que na verdade não somos. Ela não tem os meus problemas, não está cansada e nem com sono. É bom saber que daqui a algumas horas também não estarei com nada disso.
Olha que maravilha, lugar bom para estar... Só que não vou deixar a minha vida ficar ruim porque não estou só me divertindo... Trabalhar é o que nos controi e nos molda...
 

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Pluft, o fantasminha – peça de sucesso do Grupo Teatral Fábula está de volta a preços populares


A peça Pluft, o fantasminha, montagem do Grupo Teatral Fábula, estará em cartaz nos dias 22, 23 e 24 de fevereiro, às 20:30 horas no Teatro Municipal de Alfenas.

A clássica obra infantil, escrita em 1955 por Maria Clara Machado, diverte crianças e adultos. A história acontece numa casa abandonada, tendo como moradores uma família atrapalhada de fantasmas: o pequeno Pluft, que tem medo de gente, a mãe do Pluft, que adora preparar pastéis de vento e o Tio Gerúndio, que só quer saber de dormir. O lugar deixa de ser calmo quando o terrível pirata Perna-de-Pau invade a casa trazendo a adorável menina Maribel, raptada por ele. O pirata procura um tesouro que o Capitão Bonança, avô de Maribel, provavelmente escondeu na casa. As atrapalhadas amigas da neta do capitão, Juliana, Sebastina e Joana vão tentar salvar a menina do maldoso pirata. A surpresa é que, Pluft, mesmo com medo de humanos, também vai fazer de tudo para ajudar Maribel a sair dos domínios de Perna-de-Pau, mostrando que a amizade pode superar qualquer obstáculo. “Pluft, o fantasminha tem uma trama inteligente que faz o público se envolver com a história. Além de divertir, a obra traz o que há de melhor em peças teatrais infantis. Vale a pena assistir.” – pontua Marcelo Divino, diretor do Grupo Teatral Fábula e presidente da ATELIFA (Associação de Teatro e Literatura Fábula).

Para enriquecer ainda mais o evento, após o espetáculo, haverá sorteio do livro infantil A Ilha e a Menina da escritora Raquel de Souza, livro que será lançado em Alfenas no próximo mês. “Integrar literatura e teatro sempre foi uma preocupação do Fábula e é uma honra contribuir com o incentivo à leitura presenteando livros para o público. Tanto o livro como Pluft, o fantasminha foram feitos com muito carinho para agradar a plateia e mostrar que a arte, tanto teatral como literária podem ser divertidas.” – comenta Raquel de Souza, também atriz e integrante do grupo teatral.

Os ingressos serão vendidos a preço acessível para que toda a população alfenense assista a essa peça imperdível.

           

Investimento Cultural – Inteira: 5 reais, Meia: 3 reais.

Maiores informações: (35) 8864-7806 ou (35) 8817-4038

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Ensaio mínimo sobre a brancura do papel


Diante do branco a minha frente lembro-me do fim de “Ensaio sobre a Cegueira” do meu escritor predileto José Saramago, quando uma das personagens olha para o céu e vê tudo branco. Essa brancura que ele fala sempre ficou na minha cabeça e, agora, olhando mais uma vez para essa página alva compreendo. A brancura só pode ser a do papel. Com toda essa tecnologia, será que não dava para colocar umas opções de página de outras cores no editor de texto? Por que só branco? Podia ser um amarelinho, um azul. Mas branco? Já ouvi falar que tem gente que tem pavor de branco, chega num consultório médico ou numa enfermaria e já gela de pavor. A brancura realmente apavora. Ficar cego e ver tudo branco deve ser desnorteante. Ausência de sensações.

Como uma fruta verde, pegajosa, não porque é bom, mas para sentir que vivo, que estou. Alguém já se machucou e sentiu prazer de ver o próprio sangue escorrer? Dá uma impressão de vivacidade verificar de vez em quando que corre sangue quente nas veias. Preciso saber que estou viva. Que apesar de estar presa diante de uma folha cândida, vivo.