Quem sou eu

Minha foto
Sou escritora e atriz. Adoro ler, escrever, assistir a filmes e ir ao teatro. Escrevi dois livros "A ilha e a menina" e "Livremente Mara", que virou peça de teatro e estreia no final deste ano.

sábado, 2 de julho de 2016

Metade de um sol amarelo

Meus dias não se orientam por fins de semana, muitas vezes eles se igualam numa sucessão monótona de dias. Tudo se interrompe com os passeios, viagens, e até mesmo com filmes. Assim, sendo hoje sábado, querendo descansar e conhecer um pouco mais do mundo, escolhi um filme todo especial para assistir. Chama-se “Metade de um sol amarelo” Acontece na Nigéria e tem uma história incrível. Acontecem traições familiares que, se não houvesse uma guerra, as pessoas nunca se perdoariam. Mas, a necessidade de ajuda, de estar junto é tão maior, que os seres humanos desse filme se perdoam. Dão outra chance. Eu coloco aqui seres humanos ao invés de personagens, porque eles se mostram de uma maneira tão sincera e crua que a impressão que se tem é que os conhece.
Esse filme é uma adaptação de um romance de Chimamanda Ngozi Adichie, uma nigeriana que é uma das mais importantes jovens autoras da literatura africana. O nome original do livro é  Half of a Yellow Sun – Meio sol amarelo. Esse livro eu quero ler, com certeza, assim como os outros que ela escreveu.
Um dizer desse filme que me marcou foi um diálogo em que as gêmeas  Olanna e Kainene relembram a fala do avô delas, quando narrava as coisas terríveis que passara na Nigéria. Ele dizia: “Não me matou, me fez conhecedor.”